• saúde
  • Suplementação: O que precisamos saber

    Na busca por novos desafios ou então pelo corpo “perfeito”, é muito comum que as pessoas invistam em suplementação. Desta forma, buscar orientação de especialistas para o ganho de massa muscular é o mais indicado.  Do contrário, a suplementação feita de modo errado pode comprometer o organismo, trazendo inúmeros prejuízos à saúde.

    Os suplementos, quando feitos de forma adequada, ajudam a prevenir doenças de deficiência, tendo até mesmo efeito terapêutico, semelhantes aos medicamentos tradicionais. Eles ajudam a reduzir o risco de catarata, prevenir problemas na próstata e aliviar os efeitos da menopausa.

    Eles podem fazer mal quando falamos em excesso e pela utilização de forma indiscriminada e indevida, não respeitando a necessidade do corpo, isso acaba comprometendo todo metabolismo e prejudicando órgãos essenciais nessa função, como fígado, rins e pâncreas.

    Abaixo separei alguns dos suplementos mais comuns usados nas academias:

    Maltodextrina

    Este também é um carboidrato proveniente do amido de milho, que ajuda a fornecer energia durante a atividade física. A maltodextrina ajuda a retardar a fadiga porque proporciona a liberação gradual de glicose para o sangue.

    Albumina

    Esta é uma proteína proveniente da clara do ovo. A Albumina é considerada uma proteína de alta qualidade, pois serve para regularizar a pressão osmótica do sangue; transportar hormônios e controlar o pH sanguíneo. Quando utilizada como forma de suplemento ajuda a ganhar massa muscular.

    Craitina

    Ela é comporta por dois aminoácidos que são produzidos em nossas células: glicina e arginina.  Sendo a principal responsável pela ressíntese de ATP , a chamada energia do músculo, nos 10 primeiros segundo de exercício máximo.

    Dextrose

    Ela também é conhecida como glicose, sendo um derivado da conversão enzimática do amido de milho. A dextrose ajuda a fornecer energia e melhorar o desempenho, fazendo com que o praticante se exercite por mais tempo. A dica é não ingeri-ló de forma irregular.  O melhor é que a dextrose seja ingerida apenas ao longo do exercício e, de preferência, acompanhada de alguma proteína.

     

    Compartilhe